Arquivo da categoria ‘Poesia’

Fragmentado

Publicado: agosto 22, 2017 em Poesia

Fragmentado

Fragmentos de vários pensamentos se unem;
Modificam o passado e dão perspectivas para o futuro.
Na memória há alegria e há dor e a lembrança?
O que é verdadeiro?
O que é falso?
O que é imaginação?
O que é interpretação?
Quem viu? Quem sentiu?
Quem entende? Vai saber…

Quem pode confiar na memória?
A própria mente guarda aquilo que não se escolhe guardar,
Consciente ou não, entendendo ou não…

Na memória encontram-se fragmentos
Peças aleatórias que se unem e montam um cenário.
Qual será a imagem final?
Onde se chegará no final de tudo?
Não sei, não posso saber, afinal
Fragmentos não são inteiros
São pedaços de algo que já foi,
São peças do ontem que montam quem somos hoje
Fragmentos de um Ser…
Um devir, um vir a ser…

 

Anúncios

Leva-me…

Publicado: julho 21, 2015 em Poesia
Tags:,

Leva-me…

Por alguns minutos, parei.
Por um momento me permiti,
Me permiti ver o que a minha condição humana luta tanto para que eu não veja.
Lembrei, então senti a dor.

Uma breve oração, mas não tão breve quanto a minha vida…
Me trouxe…
Me levou…
Me tirou de onde estava…

Ah Deus, ah Pai!
Leva-me a um lugar onde a minha mente não se confunda,
Leva-me a um lugar onde minha alma encontre um pasto verde e águas tranquilas,
Leva-me a um lugar onde eu encontre pão para me manter forte,
Leva-me a um lugar onde minhas correntes sejam quebradas,
Leva-me a um lugar onde meus pecados sejam confrontados,
Leva-me a um lugar onde minhas mãos fiquem limpas e prontas, prontas para trabalhar,
Leva-me a um lugar onde meu coração não desfaleça, e meus sentidos não me enganem,
Leva-me a um lugar onde eu possa vê-lo…

Leva-me…
Leva-me a um lugar… Se é que existe um lugar…
Mas, leva-me ao lugar onde eu devo estar.

Por ocasião de uma data especial no meu relacionamento, um poema sobre a beleza e significado do amor…

Lua Mensageira de Deus

Lua que traz luz pras noites escuras,
Lua que viu a historia, minha e sua,

Hoje comemora um ano que se passou,
Um ano que se completou,
Um ano desde daquela noite em que testemunhou
O novo passo do nosso amor.

Ah Lua!
Será que você contemplou outras historias de amor?
Lua, Lua quantas vezes sera que você já ensinou sobre o amor?
Parece loucura dizer que você Lua,
Além de ser tão bela é uma ótima mensageira de Deus?
Que ensina aos casais o proposito do amor?

Lua que brilha em noites escuras,
Que dá luz para se enxergar o caminho
Venha nos ensinar,

Que por mais que sua luz seja tão agradável,
Sua luz na verdade não é sua,
Lua sábia, que ao invés de querer gerar a própria “glória”,
Apenas reflete a luz que não é sua,
Reflete então a luz de alguém maior, o Sol,
Ele que esta lá no céu, mas que não pode ser visto na noite
Alcança pessoas iluminando historias através de você Lua!

(mais…)

Uma Brisa Suave

Publicado: março 31, 2015 em Poesia

Uma Brisa Suave

As vezes o que precisa ser ouvido é apenas o som do silêncio.

Deixar o vento junto com o tempo soprar e levar embora alguns ruídos que incomodaram em algum momento.

O sopro suave de uma brisa é sempre renovador,
Ainda mais quando o ar novo entra pelas narinas e enche nossos pulmões
no mesmo instante em que os olhos se fecham para que nasça nos lábios um sorriso leve e discreto.

Renovar o ar
Reinventar a vida
Reforçar a energia
Reverter as tristezas
Relembrar as alegrias
Resistir nas fraquezas (mais…)

A tristeza tomou conta do coração,
O medo fez com que feras ferissem a ferro a alma do seu companheiro.

A tristeza é mais triste quando ela vem a tona sem motivos depois de momentos de muita felicidade,
onde esta corria solta, corria leve,
dançava tranquila, compassada no ritmo da paz…

A tristeza nasce quando se perde a fé na felicidade, quando as feras das incertezas são mais alimentadas que as convicções.

Quando palavras não são medidas, mas são apenas disparadas como flechas acertando o peito aberto de quem nunca quis lhe esconder o coração.

Releve… e eleve o pensamento a Deus,
Ele te socorrera.

Os olhos Daquele Menino

Publicado: dezembro 3, 2014 em Poesia

Sente falta
Falta da inocência daqueles dias
Dias atrás, dias passados,
De um passado distante…
Distante talvez esteja ele de tudo aquilo…

Ele que outrora lutava, corria, fazia e chorava
Ainda chora hoje
Chora por ver,
Chora por não ver!
Chora pois um dia pode ver,
Ver além do dogma, da tradição da exaustiva opressão
Tentaram lhe cegar mas não conseguiram.

Viu luz, encontrou luz!
Todavia, a visão continua sendo ofuscada…
Espera ver melhor,
Espera ver o melhor… (mais…)

No lixo, há dor.
No luxo, há dor.
No lixo ou no luxo o ardor…

No lixo encontra-se a ignorância
No luxo encontra-se a ilusão
No lixo ignora-se à Deus
No luxo equivoca-se o Deus,
Sim há deus, eu sou deus!

O lixo naturalmente se decompõe.
O luxo fatalmente se deteriora. (mais…)