Arquivo de novembro, 2014

Somos Iguais – Thiago Grulha

Publicado: novembro 25, 2014 em Canções
Tags:

Confesso, ultimamente tem sido difícil encontrar musicas de qualidade no âmbito cristão e quando eu falo de qualidade não estou me referindo diretamente a musicalidade aos arranjos e toda essa parte de instrumentos e vozes (pois até encontramos qualidade nesse requisito), mas sim a questão de LETRAS que expressem algo que realmente edifique a vida daqueles que a ouvem. O que se tem proliferado no meio cristão é a musica sobre “encomenda”, musicas para serem vendidas, canções tolas mas que agradam por seu ritmo ou por suas promessas que na maioria das vezes não têm coerência com as promessas de Deus expressas em sua palavra escrita, essas letras sempre exaltam o homem e suas obras e o levam a  arrogância, e estes por sua vez acabam sutilmente usurpando a Gloria de Deus e diminuindo-o sem que percebam que estão na verdade se distanciando de Dele. Este fato acontece muito mais do que as pessoas imaginam e na maioria das vezes estas demoram anos pra entender que aquela canção que “falou tanto com ela” na verdade não tinha coerência com as Escrituras, pois em nosso tempo há uma escassez do ensino das Escrituras Sagradas e uma abundancia de egocentrismo. Meu intuito com este post é te levar a reflexão todas as vezes que você ouvir uma canção cristã meditando nela e procurando na bíblia uma coerência pra que você posso glorificar a Deus de fato.

Hoje compartilho uma boa canção com vocês:

Somos Iguais – Thiago Grulha

 

Grandes heróis
Acima dos erros, sempre perfeitos
Eram tudo que eu, queria ser
Grandes heróis
Nenhum tropeço, nada do avesso
Eram tudo que eu, queria ser

Mas vendo de perto do jeito certo
Como doeu, descobrir que viviam como eu

Eles choram, sentem dor e as vezes pensam em parar
Eles lutam pra viver o amor
Mas nem sempre eles sabem amar

Somos frágeis
Feitos de terra, sempre em guerra
Com o nosso próprio coração
Somos frágeis
Lutamos com medos, guardamos segredos
Em nosso próprio coração

Me viram de perto do jeito certo
Como doeu, descobriram que eles eram como eu, como eu

A gente chora sente dor, e as vezes pensa em parar
A gente luta pra viver o amor
Mas nem sempre a gente sabe amar

Somos heróis, somos frágeis, somos iguais
Somos heróis, somos frágeis, somos iguais

 

Algo que aconteceu há alguns milênios atrás e que ainda se repete até hoje foi o caso de Êxodo 32:1-10:

 1 Mas, vendo o povo que Moisés tardava em descer do monte, acercou-se de Arão e lhe disse: Levanta-te, faze-nos deuses que vão adiante de nós; pois, quanto a este Moisés, o homem que nos tirou do Egito, não sabemos o que lhe terá sucedido.
2 Disse-lhes Arão: Tirai as argolas de ouro das orelhas de vossas mulheres, vossos filhos e vossas filhas e trazei-mas.
3 Então, todo o povo tirou das orelhas as argolas e as trouxe a Arão.
4 Este, recebendo-as das suas mãos, trabalhou o ouro com buril e fez dele um bezerro fundido. Então, disseram: São estes, ó Israel, os teus deuses, que te tiraram da terra do Egito.
5 Arão, vendo isso, edificou um altar diante dele e, apregoando, disse: Amanhã, será festa ao SENHOR.
6 No dia seguinte, madrugaram, e ofereceram holocaustos, e trouxeram ofertas pacíficas; e o povo assentou-se para comer e beber e levantou-se para divertir-se.
7 Então, disse o SENHOR a Moisés: Vai, desce; porque o teu povo, que fizeste sair do Egito, se corrompeu
8 e depressa se desviou do caminho que lhe havia eu ordenado; fez para si um bezerro fundido, e o adorou, e lhe sacrificou, e diz: São estes, ó Israel, os teus deuses, que te tiraram da terra do Egito.
9 Disse mais o SENHOR a Moisés: Tenho visto este povo, e eis que é povo de dura cerviz.
10 Agora, pois, deixa-me, para que se acenda contra eles o meu furor, e eu os consuma; e de ti farei uma grande nação.

Nesta passagem podemos comtemplar o quão facilmente o povo de Israel (povo de Deus) abriu mão de Deus e das leis já dadas oralmente nos capítulos anteriores, e em um curto espaço de tempo onde Moisés estava ausente no monte recebendo a lei de forma escrita abandonaram a Deus.

A “massa”, o povo que vivera como escravos sendo humilhados pelos egípcios e que saíram dessas terras debaixo da mão forte de Deus vivenciando milagres nunca antes registrados na história, e sem terem tido nenhuma atitude “agradável” a Deus, para que Deus assim fizesse pelo mérito deles, ou por alguma boa ação, mas eles saíram da terra do Egito única e exclusivamente por um ato de graça da parte de Deus que os resgatou. (mais…)

Ame-a Mais e Ame-a Menos

Um poema de John Piper para seu filho que nos diz a mais bela verdade sobre o propósito do casamento.

Para Karsten Luke Piper
Por Ocasião de Seu Casamento com
Rochelle Ann Orvis
29 de Maio de 1995

O Deus que amamos, e em
Quem temos vivido, e quem tem sido
Nossa Rocha nestes vinte-e-dois bons anos
Com você, agora nos propõe, com doces lágrimas,
Deixá-lo ir: “Deixará o homem
Seu pai e sua mãe, apegar-se-á
Então à sua mulher, e será
Uma livre e desembaraçada carne.”
Esta é a palavra de Deus hoje,
E estamos contentes em obedecer.
Pois Deus lhe deu uma noiva
Que responde a cada oração que clamamos
Por mais de vinte anos, nosso clamor
Por você, antes que soubéssemos o nome dela.

Agora, você pede que eu escreva
Um poema — algo arriscado, à luz
Do que você sabe: que estou mais para
O pregador do que para o poeta ou
O artista. Estou honrado por
Sua bravura, portanto obedeço.
Não reclamo dessas doces limitações
De pares de rima e linhas metradas.
São velhos amigos. Eles gostam quando
Lhes peço que me ajudem mais uma vez
A dar forma aos sentimentos
E mantê-los duráveis e calorosos.

Então nos encontramos recentemente,
E fizemos um dilúvio de amor e louvor
E conselho do coração de um pai
Fluir das orlas da arte.
Eis aqui uma porção da corrente,
Filho meu: um sermão poema. Seu tema:
Uma dupla regra do amor que choca;
Uma doutrina em um paradoxo:

Se, agora, quer abençoar sua esposa,
Então a ame mais e ame-a menos.
Se nos anos porvir, por alguma
Estranha providência de Deus, você venha
A ter as riquezas deste século,
E, sem dor, caminhar a passos largos
Ao lado de sua esposa, certifique-se com sua vida
De amá-la, ame-a mais do que a riqueza.

E se sua vida está entrelaçada em
Uma centena de amizades, e teceres
Um tecido de festa a partir de todos
Os doces afetos, grandes e pequenos,
Certifique-se, não importando o quanto rasgue,
De amá-la, ame-a mais do que os amigos.

E se chegar um ponto quando você
Estiver cansado, e a misericórdia sussurrar: “Faça
Um favor a si mesmo. Venha, seja livre;
Abrace os confortos aqui comigo.”
Saiba disto! Sua esposa vale mais do que essas coisas.
Então ame-a, ame-a mais do que a tranquilidade.

E quando seu leito nupcial é puro,
E não há o mais leve encanto
De luxúria por ninguém que não seja sua esposa,
E tudo é êxtase na vida,
Um segredo tudo isso protege:
Vá amá-la, ame-a mais que o sexo.

E se seu gosto se tornar refinado,
E for movido pelo que a mente
Do homem pode criar, e fascinado por
Sua destreza, lembre-se que o porquê
De toda essa obra está no coração;
Então ame-a, ame-a mais do que a arte.

E se sua for algum dia
A destreza que todos os críticos concordam
Ser digna de grande estima,
E as vendas excedam seus sonhos mais loucos,
Cuidado com os perigos de um nome.
E ame-a, ame-a mais do que a fama.

E se, para sua surpresa, não minha,
Deus lhe chamar por algum estranho desígnio
Para arriscar sua vida por alguma grande causa,
Não deixe que o medo nem o amor lhe parem,
E quando enfrentar o portão da morte,
Então ame-a, ame-a mais que o fôlego.

Sim, ame-a, ame-a, mais que a vida;
Ah, ame a mulher chamada de sua esposa.
Vá amá-la com o melhor que você tem na terra.
Mas, além disso, não se aventure. Mas, para que
Seu amor não se torne a ilusão de um tolo,
Certifique-se de amá-la menos do que a Deus.

Não é sábio ou gentil chamar
Um ídolo por doces nomes, e cair,
Como em humildade, diante
De uma imagem do seu Deus. Adore
Acima de sua mais amada na terra
O único Deus que concede a ela valor.
E ela saberá em segundo lugar

Que seu grande amor também é graça
E que seus grandes afetos agora
Estão fluindo livremente de um voto
Debaixo dessas promessas, feito primeiro
Por Deus a você. Nem desaparecerão
Por serem enraizadas junto às correntes
Da Alegria Celestial, que você estima
E ama mais do que o fôlego e a vida,
Que você possa dar isto à sua esposa.

O maior presente que você dá a sua esposa
É amar a Deus acima da vida dela.
E então, o convido a santificar:
Ame-a mais amando-a menos.

Referência:

PIPER, John. Preparando-se Para o Casamento: Um Auxilio Para Casais Cristãos. 1ª Edição. São José dos Campos: Editora Fiel, 2013.

Abaixo, destaco apenas um pequeno trecho da Confissão de Fé Escocesa que foi entregue ao Parlamento em 17 de Agosto de 1560, redigida em quatro dias por John Knox e outros cinco colegas pastores que por coincidência também se chamavam John. Esta permaneceu sendo a Confissão de Fé da Escócia até ser sobrepujada pela Confissão de Fé de Westminster em 1647.

“Além disso, era preciso que o Messias e Redentor fosse verdadeiro Deus e verdadeiro homem, porque ele seria capaz de suportar o castigo devido a nossas transgressões e apresentar-se ante o juízo de seu Pai, como em nosso lugar, para sofrer por nossa transgressão e desobediência, e, pela morte, vencer o autor da morte. Mas, porque a Divindade, só, não podia sofrer a morte, nem a humanidade vencê-la, ele uniu as duas numa só pessoa, a fim de que a fraqueza de uma pudesse sofrer e sujeitar-se a morte que nós merecíamos – e o poder infinito e invencível da outra, isto é, da Divindade, pudesse triunfar e preparar-nos a vida, a liberdade e a vitória perpetua. Assim confessamos e cremos sem nenhuma dúvida.”

 

 

Referência:

 

BOND, Douglas. A Poderosa Fraqueza de John Knox: Um Perfil de Homens Piedosos. 1ª Edição. São José dos Campos: Editora Fiel, 2011. p. 125-126.